Artigos

Dica de Livro: A Magia das Runas

O Livro Magia das Runas não é mais um manual de esoterismo ou um livro cheio de termos e ideias vagas e subjetivas. A cada página lida, relida e meditada profundamente e, acima de tudo, vivenciada, encontramos um hálito de Eternidade.

Ali encontramos as experiências de um Mestre verdadeiro, de um Alto Iniciado autêntico. De um ser que viveu na face desta terra desde há muitos milhões de anos e que, por amor a nós, seres humanos que sobrevivemos às vezes unicamente por sorte ou por piedade da Divindade.

Aqui encontram−se mesclados harmoniosamente ensinamentos sobre as tradições míticas greco−romanas, experiências internas de Samael Aun Weor nos Mundos Internos, e também, profundas explicações acerca do alfabeto mágico mais antigo do mundo, o Alfabeto Rúnico.

Este alfabeto, ou Dança Mágica, é um compêndio de letras, de Magia, Teurgia, Ciência Cósmica e Psicologia Profunda.

Esta arma gnóstica será o alfabeto do futuro, será praticado na futura Idade de Ouro da Era de
Aquário, onde as Forças Superiores, as luminosas Energias das estrelas, descerão copiosamente sobre toda a humanidade desta época.

Cada habitante da futura Terra aquariana sentirá em seu corpo e em sua alma as poderosas irradiações cósmicas passarem por seu corpo, assim como uma gigantesca corrente elétrica passa por um cabo.

Essa divina energia cósmica das estrelas é um presente dos Deuses Misteriosos que guardam a vida em todas as esferas de vida.

Se é um presente para toda a humanidade, então, por que não a sentimos em nosso diário viver? Por que nossos hábitos, nossos sentidos, nossos sistema nervoso, não manifestam essa força da Consciência Cósmica???

A resposta é simples. Não estamos preparados para ser feliz, não estamos preparados para deixar de ser
infelizes, não sabemos como encarnar a energia divina que está à nossa espera para transformar e transmutar radicalmente nossa vida.

Todos os nossos hábitos, atitudes, pensamentos, sentimentos etc., são inconscientes, são mecânicos, negativos até… É com muita razão que o Venerável Mestre Samael Aun Weor afirma que nós estamos hipnotizados, adormecidos e egoistizados (negativos).

Os fundamentos e a finalidade dos ensinamentos gnósticos é fazer o indivíduo “desaprender”, no sentido de limpar−nos e reequilibrar−nos psicológica e energeticamente.

Com este livro, com estes ensinamentos crísticos entregues por Samael, aprendemos mais uma
poderosa arma que nos auxiliará a atrair as poderosas forças de nosso Ser Interior, que despertarão nossa Consciência Interior que, como uma Bela Adormecida, espera ansiosamente o divino beijo que virá de nosso Amado Eterno (Deus).

Link do livro: A magia das Runas

A Sabedoria Rúnica

A sabedoria das rúnica é sagrada e o V.M. Samael a entrega desvelada. As Runas foram a linguagem sagrada dos primitivos Iniciados das primeiras raças humanas, cujo alfabeto constava originalmente de 22 caracteres ou letras com mágicos poderes esotéricos, 15 dos quais o VM Samael nos entrega decifrados e praticáveis.

Cada letra é uma Runa e esta é um símbolo hierático de divinos ensinamentos secretos. O estudante deverá dispor seu corpo em determinada posição e assim assemelhá-lo aos símbolos rúnicos para executar práticas que despertam e desenvolvem os poderes interiores e mesmo nossa Consciência.

Origem Mitológica das Runas

Contam os vikings que os deuses moravam em Asgard, um lugar localizado no topo de Yggdrasil, a Árvore que sustenta os nove mundos. Nesta árvore, o deus Odin conheceu a sua maior provação e descobriu o mistério da sabedoria: as Runas.

Alguns versos da Edda poética, um livro de poemas compostos entre os séculos IX e XIII, contam esta aventura de Odin em algumas de suas estrofes:

“Sei que fiquei pendurado naquela árvore fustigada pelo vento,

Lá balancei por nove longas noites,

Ferido por minha própria lâmina, sacrificado a Odin,

Eu em oferenda a mim mesmo:

Amarrado à árvore

De raízes desconhecidas.

Ninguém me deu pão,

Ninguém me deu de beber.

Meus olhos se voltaram para as mais entranháveis profundezas,

Até que vi as Runas.

Com um grito ensurdecedor peguei-as,

E, então, tão fraco estava que caí.

Ganhei bem-estar

E sabedoria também.

Uma palavra, e depois a seguinte,

conduziram-me à terceira,

De um feito para outro feito.”

 

Esta é a visão mítica das Runas, na qual o sacrifício de Odin trouxe para a humanidade essa escrita alfabética antiga, cujas letras possuíam nomes significativos e sons também significativos, e que eram utilizadas na poesia, nas inscrições e nas adivinhações, mas que nunca chegaram a ser uma língua falada.

 

 

Deixe uma resposta

*