Artigos

Doze Apóstolos – Realidade Secreta – Parte II

Doze Apóstolos –  Realidade Secreta – Parte II

Doze-Apóstolos-A--Realidade-Secreta–ParteII

No artigo anterior publicamos um excerto da obra “Pedra Filosofal”, na qual Samael Aun Weor desvela o profundo significado de alguns dos apóstolos do Cristo, que nada mais são que Doze Princípios ou partes de nosso Ser. Cada um representa determinados valores que nascem em nosso Universo Psicológico, através do estímulo das forças Zodiacais das 12 Constelações.

Dentro de nós mesmos há um Timóteo que é a Inspiração. A Inspiração para realizar um trabalho interior, aqui e agora, vem dessa parte autônoma do nosso Ser. É ele quem nos dá o combustível, quem nos dá o “sabor trabalho”, mesmo que tenhamos que passar por situações muito difíceis na vida. Tal Princípio trabalha com as energias que Pedro oferece (Energia Criadora). Portanto, há muita necessidade de trabalhar (transmutar e sublimar) tais energias para que encontremos a Inspiração.

Também há um Santiago, o Patrono da Grande Obra. Ensina Samael Aun Weor:

Eu, de minha parte, sinto grande respeito, infinita veneração por SANTIAGO, O MAIOR. Não falo do Santiago histórico, de alguns milhares de anos; não estou me referindo a ele. Repito: sinto grande admiração pelo Santiago Interior, que não é outra coisa que o MERCÚRIO DOS SÁBIOS. 

(…) 

Bem sabemos que o Mercúrio dos Sábios é o “Exiohehai”. Fabricar o Mercúrio sempre foi um segredo, nunca foi divulgado, os Alquimistas se calaram… 

(…) 

Esse Mercúrio é o mesmo SANTIAGO, o Apóstolo Santiago dentro de nós mesmos. 

Devemos fabricar um material limpo e puro para que realizemos a Grande Obra, criando os Corpos Existenciais do Ser dentro de nós mesmos através das nossas energias criadoras.

Marcos é a potestade que desperta e faz ascender os fogos internos, o Espírito Santo do Cristianismo, a Kundalini dos hindus, a Serpente de Fogo, pelas trinta e três vértebras da espinha dorsal. Kundalini é a coluna de nosso templo interior. Há que libertar Marcos para compreender a necessidade de méritos do coração para que a Kundalini ascenda, pois uma coisa é acender o fogo, outra é fazer subi-lo. Há que ter méritos. Marcos nos ensina através dos segredos da Santa Unção do Pão e do Vinho (a sábia combinação de Mercúrio e Enxofre, respectivamente). Não devemos esquecer que a Kundalini, a Serpente Ígnea de nossos mágicos poderes, é nossa própria Mãe Divina Devi Kundalini Shakti que reside em nosso interior.

Temos dentro de nós mesmos, engarrafado dentro de nossos diversos defeitos psicológicos, Bartolomeu, que nos dá a Mística, a emoção transcendental, respeito ao sagrado, sem falsos pietismos, sem falsos misticismos. Sem Mística, a Obra em nós está “castrada”, está incompleta, é uma rosa que não tem perfume, assim ensina um grande mestre de sabedoria. 

Por fim, em síntese, os Doze Apóstolos representam os Doze Princípios do Ser:

Pedro – A Alquimia

João – O Verbo

Judas – A Inteligência

Felipe – O Ocultismo

Mateus – A Ciência Pura

Timóteo – A Inspiração

Santiago – Os Mistérios Crísticos

Marcos – O Despertar dos Fogos Sagrados

Lucas – A Kabala

André – Os Mistérios da Cruz

Tomé – A Mente Interior

Bartolomeu – A Mística

Todos são Partes Autônomas e Autoconscientes que residem dentro de nós mesmos. O Drama Crístico deve ocorrer aqui e agora, dentro de nós, neste vasto mundo psicológico, para que nos liberemos completamente da conhecida Roda do Samsara dos budistas, das Leis do Eterno Retorno, e da Recorrência, e atinjamos a Autorrealização Íntima de nosso Real Ser Interno.

anterior                                                                                                                                                                                                                                                                 próximo

Deixe uma resposta

*