Artigos

O caminho de Compostela

O caminho de Compostela

Continuando nossa série de artigos sobre a desvelação que o VM Samael Aun Weor fez a respeito do livro de Gênesis da Bíblia, falaremos agora sobre o Caminho de Compostela.

Veja a 1ª parte do estudo: O homem à luz do Gênesis

Veja a 2ª parte do estudo: Alquimia: o trabalho com as águas

Veja a 3ª parte do estudo: A grande oitava: o homem do Sétimo Dia

O caminho

O próprio Logos de Marte alerta que este é um caminho difícil, de perigos imprevistos, de angústia e de dor. Chamado de “Caminho Estrelado”, por ser simbolizado com oito estrelas no firmamento.

Por esse caminho andou Nicolas Flamel, insigne alquimista medieval.

É o caminho que conduz a COMPOSTELA.

O que significa Compostela

A palavra COMPOSTELA pode ser entendida assim: COMPO “receber”; STELA “estrela” (receber a estrela).

Para se converter em Homem Vivente há que receber a Estrela de Seis Pontas, o Selo de Salomão.

Estrela de 6 pontas

Representado também está esse momento pelo Sepulcro do Iniciado.

Não podemos esquecer que quem levanta tais sepulcros do iniciado é a Divina Mãe Kundalini e que esses não são sepulcros físicos, mas sim psicológicos, nos quais devem estar depositados os restos dos eus mortos. Quando o Sepulcro resplandece não fica nem sequer um eu dentro da sepultura. Então, brilha a estrela. A que saber entender”, declara o VM Samael.

Com o peregrino que vai a Compostela, Nicolas Flamel simboliza, entre outras coisas, o Mercúrio da Filosofia Secreta ou o Apóstolo Santiago, o Maior.

Santiago e os apóstolos dentro de nós

Sabemos que os doze apóstolos de que fala a Bíblia não são meramente doze apóstolos históricos. Essas doze potestades estão dentro de nosso Ser, são doze partes autônomas e autoconscientes e até auto independentes de nosso próprio Ser individual particular.

Desses doze apóstolos, o mais interessante, segundo o Mestre Samael, é Santiago, o Maior; porque Santiago representa ao Mercúrio da Filosofia Secreta e o Mercúrio é o fundamento da Grande Obra.

Santiago é, portanto o BENDITO PATRONO DA GRANDE OBRA.

Os doze apóstolos existiram historicamente, não se nega, porém eles alegorizam ou simbolizam aos doze apóstolos que cada um leva em seu interior.

As doze potestades foram depositadas pelo Salvador no ventre da Mae Divina Kundalini; de lá surgem à manifestação, vem e entram em nosso corpo físico”, complementa.

Não se confundam as doze potestades com as doze Faculdades; certamente temos doze faculdades, ou seja, cinco sentidos ordinários e as sete igrejas do ‘Apocalipse’ de São João.

Essas doze faculdades não são as doze potestades, mas sim se relacionam, de uma ou outra forma, com as doze potestades.

Assim que Santiago, por exemplo, representa a Grande Obra e os ensinamentos relacionados com a Grande Obra vêm do Pai de todas as luzes e chegam a Mente através de Santiago, o apóstolo. Mas, não pensemos que trata-se do Santiago histórico, mas sim do Santiago Particular de cada um.

Dentro de nós estão as doze potestades, estão os vinte e quatro anciões, estão os quatro que dirigem os quatro elementos, etc…

O Ser de cada um parece um exército de meninos, de crianças, cada uma das partes do Ser goza de autonomia, autoconsciência e auto independência.

Precisamos aperfeiçoar cada uma das partes do Ser, isso é Real, é certo e de toda Verdade, porém isso somente é possível eliminando os elementos subjetivos das percepções. Aperfeiçoar a parte superior do Ser é muito difícil! Quem logre aperfeiçoar a parte superior de seu próprio Ser recebe o grau de ISISHMESCH. São poucos os que chegam a essa altura”.

Temos que começar a criar dentro de nós o homem feito à imagem e semelhança de Deus. Esse homem não poderia existir sem um choque especial, esse choque é o da Gnosis, é a Luz que vai nos sacar do estado caótico em que vivemos e que vai converter-nos em homens autoconscientes.

A luz da Gnosis

Porém, se ficássemos nisso, andaríamos mal. Necessitamos converter-nos em Super-Homens; necessitamos criar, fazer surgir dentro de nós, o Homem Vivente do Sétimo Dia.

Para isso, necessitamos também de um choque especial.

O Mestre Samael desvela ainda porque motivo os doze apóstolos são caluniados, pelos virtuosos, pelos sacerdotes do templo e pelos anciões. Quem são esses personagens? Vale a pena refletir…

Os escribas, os intelectuais, os que estão apegados aos códigos de moral, são os famosos “virtuosos”, que condenam os Iniciados. Os anciões são as pessoas muito judiciosas, as pessoas cheias de experiências que jamais entendem os Iniciados. Já os sacerdotes são as pessoas de todas as religiões e de todos os cultos.

De maneira que os doze santos, as doze potestades, dos doze apóstolos são caluniados, mas marcham firmes até onde devem marchar. Santiago, o Maior, o Bendito Patrono da Grande Obra, firme vai pelo caminho que leva a Compostela.

Assim que esse choque que esses choques que se recebe são necessários para a transformação, são vitais.

2 respostas para "O caminho de Compostela"

  1. MarceloAS Enviado em 05/25/2018 às 08:06

    O artigo não fala se a peregrinação no local , na Espanha, seria um bom propósito para a grande obra.

  2. Elias Rocha Enviado em 05/25/2018 às 17:34

    Olá Marcelo, tudo bem? Eu gostaria de compartilhar contigo a minha compreensão do texto, especificamente com relação a sua indagação. Entendi que o texto, de certa forma, nos convida a fazer um caminho de compostela interior, uma busca por nossa essência, um convite ao aperfeiçoamento. Essa busca não é por um caminho externo, como o localizado na Espanha. Neste caminho interior, certamente iremos encontrar obstáculos, não será simples completa-lo, porém será como morrer e renascer novamente para atuar em um propósito elevado, manifestando o seu real ser. É a prática da Gnosis, ou seja, do exercício de autoconhecimento.

Deixe uma resposta

*