fbpx

Artigos

A ascensão do Sol interior

homem sol

Antiquíssimas tradições iniciáticas do Oriente e do Ocidente, falam sobre o processo de ascensão do Sol interior.

Os Mistérios Egípcios, revitalizados na Idade Média pelos Adeptos Rosacruzes, falam de Mistérios Menores e Maiores.

As Iniciações de Mistérios Menores, que são 9, têm relação com a personalidade, ou seja, é a iniciação da pessoa, onde esta vai polindo-se, corrigindo seu comportamento, até alcançar a santidade, porém, quando chega à 9ª, necessariamente tem que passar pelo deserto esotérico, chamado pelo místico São João da Cruz de “Noite Escura da Alma”, onde tem que enfrentar sua própria obscuridade, então, o iniciado vê-se assaltado por seus piores demônios, chegando à conclusão que todo trabalho feito até então foi muito superficial.

Esse período é extremamente necessário, pois somente assim o homem percebe que toda essa construção que fez, chamada personalidade, é na verdade falsa, pertence ao tempo, e tem que dissolver-se para que encontre aquela parte de si mesmo que é eterna, imutável, perene, o Mestre Interno, a verdadeira individualidade, chamado de Sol da Meia-noite, pois brilha na hora mais obscura da vida do Iniciado.

Na Maçonaria Oculta, as 9 Iniciações de Mistérios Menores estão relacionadas aos graus 1º ao 18º (1+8=9), quando o iniciado deveria receber o Grande Arcano do esoterismo, as bodas de Rosenkreuz, a Chave Alquímica da Transmutação do Chumbo em Ouro, capaz de despertar seus Fogos Sagrados e com eles, todas as possibilidades humanas.

Ao trabalhar com essa Magna Chave, ingressa na 9ª Esfera, o Deserto do Eremita, para trabalhar com o Fogo e a Água, que conforme o Mestre Samael Aun Weor, é origem de mundos, homens, Deuses e Bestas.

Então, entre os Graus 18º ao 33º, são 15 graus, ou seja, o trabalho com o Arcano 15, o Mistério do Baphometo, aprendendo a roubar o Fogo do Diabo e converter a Paixão em Amor (Arcano 15 do Tarot Egípcio – A Paixão 1+5=6, Arcano 6 – O Enamorado, o Amor), então, o homem pode conhecer-se profundamente, para morrer em si mesmo, matando a morte com a própria morte, conquistando sua Alma e ressuscitando no Espírito Imortal. (O Arcano 6 é Tiphereth da Cabala, a Alma Humana). Por isso no mito Cristão, Jesus vive até os 33 anos (o 33º grau), Morre (a personalidade) e Ressuscita (o Real Deus Interno).

Quando o homem aprende a contemplar e integrar-se com seu Real Ser, nasce então um novo Mestre, um Adepto. Conhece e começa a gravitar em um novo Estado de Consciência, além do corpo, dos afetos e da mente, até então desconhecido para ele. Vive então em seu interior, o acontecimento de Belém, O Natalis Solis Invictus do Mitraismo, o Nascimento do Menino Sol, quando o Fogo Sagrado chega à 33ª vértebra, momento transcendental que o Dr. Krumm Heller, insigne Mestre Gnóstico conhecido como Huiracocha, expressou poeticamente no verso: “O Sol se levantou; O Fantasma do Tempo se desvaneceu; A Palavra Perdida foi encontrada!”

Então, o novo Mestre, o Senhor interior profundo, deve viver como homem, sofrer, sorrir, chorar, para então extrair e absorver em si, os princípios anímicos de todos os veículos (corpos físico, vital, astral, mental e causal) para mais tarde converter-se em um Mestre Auto-realizado. Isto é o que em esoterismo se conhece como Alta Iniciação ou Mistérios Maiores, vivências transcendentes no íntimo do homem, que a Gnosis nos ensina a vivenciar.

Eduardo Garcia Ávila Lima


Veja mais: O Sol da Meia-Noite e seu simbolismo

Uma resposta para "A ascensão do Sol interior"

  1. Katia Silveira Enviado em 05/11/2019 às 22:39

    .Quando o quinto anjo chegou para entregar as chaves do caminho secreto para a quinta raça raíz que estaria chegando a seu final, todos acreditaram que seria muito fácil trabalhar em si mesmo. Se dizia que o caminho estava claramente mapeado, incluindo de maneira inédita o grande arcano entregue à humanidade de forma totalmente desvelada.
    Se formou o Movimento Gnóstico Cristão Universal sob o comando do grande Avatar Samael Aun Weor e seguiu depois de seu desaparecimento em 24 de dezembro de 1977 com seu único discípulo que despertou a consciência, Joaquim Henrique Amortegui Valbuena, o Mestre Rabolú.
    O Movimento Gnóstico Cristão Universal na Nova Ordem marchou com o Mestre Rabolú até seu falecimento em 8 de janeiro do ano 2000.
    Assim se cumpriu com exatidão o que ele afirmou em uma entrevista a uma rádio em 1982, segundo a qual O ESOTERISMO GNÓSTICO ESTARIA EM SUA FORMA PUBLICA DO ANO DE 1960 ATÉ O ANO 2000, DEPOIS, VOLTARIA A OCULTAR-SE.
    Desde o labor do V. M. Samael até seu prosseguimento e encerramento sob a sábia orientação do V. M. Rabolú, e apesar do tremendo esforço dos dois Mestres, NINGUÉM MAIS DESPERTOU SUA CONSCIÊNCIA.
    Se acaba em definitivo o Movimento Gnóstico Cristão Universal na Nova Ordem porque não havia ninguem preparado, ninguem responsável que pudesse levar adiante a obra, o legado do V. M. Samael Aun Weor e de seu mui amado discípulo, Joaco, o V. M. Rabolú.
    O que aconteceu com o povo gnóstico?
    Porque não houve gente que avançou, que trabalhou, que despertou, que erros foram cometidos?
    Não houve compreensão dos ensinamentos dados pelos Mestres por parte dos estudantes gnósticos que os levasse a trabalhar da forma correta. Não houve continuidade de propósitos, não existiu trabalho diário levado adiante de forma crescente, de oitava em oitava, dia após dia, semana após semana, mes após mes, ano após ano e é somente assim que o despertar começa lentamente a ocorrer da forma como afirmou o Mestre Samael que ocorreria, ou seja, como uma árvore que lentamente cresceu, sem sobressaltos.
    O Mestre Samael repetiu exaustivamente a expressão “Esta é a SENDA DO FIO DA NAVALHA, o caminho estreito e difícil pelo qual bem poucos entram, senda cheia de perigos por dentro e por fora, onde só sopra um hálito de morte, dos dois lados dessa senda existem abismos espantosos.”
    Curiosamente, TODOS ACREDITARAM PIAMENTE QUE TINHAM ENTRADO PELO CAMINHO, QUE ESTAVAM TRILHANDO ESSA SENDA. Muitos seguem acreditando que estão nela, possuem UMA TREMENDA FANTASIA de que estão trilhando a rochosa senda que conduz à liberação final. MAS NÃO ESTÃO!!
    A senda do fio da navalha leva esse nome de tão estreita que é. É necessário perfeito equilíbrio para trilhar uma senda que de tão fininha, de tão estreita, foi comparada ao fio de uma navalha
    E que equilibrio é esse? É o equilibrio que dá a morte imtensa, de instante em instante, de momento a momento NO AQUI E AGORA.
    E quem trabalhou ou trabalha assim em seu dia a dia?
    Quem há vencido as tremendas forças da natureza que arrastam os seres humanos ao sonho, às distrações, ao hipnotismo, aos compromissos egóicos contínuos? Quem foi que mudou o curso de sua vida recorrente e rotineira que nada mais é que o velho filme de sempre que enrolou e levou para a eternidade, voltou e desenrolou de novo e o está vivendo todinho de novo?
    Se alguem venceu tudo isso, pois está no caminho, está trabalhando contínuamente, se não venceu, AINDA NÃO ENTROU PELO CAMINHO, ainda não está trilhando a Senda do Fio da Navalha.
    Nos disse o V. M. Samael:
    “É terrível O ESFORÇO E A VIGILÂNCIA que se necessita de segundo a segundo, de instante em instante para não cair em sonhos. Basta um minuto de descuido e já a mente está sonhando, ao recordar-se de algo, ao pensar em algo distinto ao trabalho”(o trabalho interno que nesses momentos se está realizando).
    “Essa tensão contínua da mente, essa disciplina, NOS LEVA AO DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA.”
    E eu pergunto: Quem trabalha assim? Quem trabalha sobre si mesmo vigiando e orando de segundo a segundo, de instante em instante, de momento em momento? Quem está fazendo tremendos super-esforços para trabalhar assim, para chegar a esse ponto da caminhada em que não mais sonha, não mais se distrai, não mais anda com OLHOS HIPNOTIZADOS, divagando, distraindo-se com tudo, fascinado e esquecido de si mesmo?
    No entanto, muitos que se consideram gnósticos possuem.a louca fantasia de que entraram pelo caminho estreito e difícil que conduz à luz, que já estão salvos. No entanto, entrar pelo caminho significa TRABALHAR ASSIM, quem ainda não trabalha assim, conhece o caminho, mas até o presente momento, não entrou nele.
    E o tempo passa, lamentavelmente, mais uma vez a recorrencia se cumpre, nascemos adormecidos porque em passadas existencias não trabalhamos o suficiente para nascer despertos e recomeçar o trabalho outra vez.
    Nos diz o M. Samael em um de seus áudios no You tube: “Vocês aqui sentados me escutando, ouvindo essa cátedra, e eu falando a vocês, isso ocorreu exatamente igual na existencia passada, e na anterior, e na outra, e na outra…”
    Perderemos a preciosa oportunidade de despertar a consciência mais uma vez?
    Até quando seguiremos negligentes e desobedientes a nossas partes superiores, a nosso Pai interno?

Deixe uma resposta

*